Navigation
Mapa
Currículo sem Fronteiras
 
   
 Revista para uma educação crítica e emancipatória   ISSN 1645-1384

Multiculturalismo malicioso

William F. Pinar

Veja o Artigo

Resumo

Quando "identidade" primeiramente entrou no debate acadêmico norte-americano, três décadas atrás, foi um bem recebido desafio ao eurocentrismo patriarcal, demandando e recebendo reconhecimento e inclusão ao que antes tinha sido excluído do conhecimento: raça-classe-gênero. Em anos recentes, William Pinar defende que esse triunvirato tem se tornado um catecismo; fortes tendências em direção ao que Pinar sugere ser "um essencialismo estrategicamente disfuncional" vitimizando atualmente o trabalho de reconhecimento, inclusão e compreensão. Ao invés de enfatizar a heterogeneidade do social, o multiculturalismo tem transmitido políticas de identidades "balcanizadas". Fazendo referência à Zitkala-Ša, pedagoga pública aborígene norte-americana, Pinar defende a centralidade da autobiografia na reconstrução subjetiva que acompanha o currículo multicultural.

 

 

 
 
Todos os direitos reservados - Currículo sem Fronteiras 2011. Na eventualidade de enfrentar problemas no acesso a esta página, contate: webmaster@curriculosemfronteiras.org
 
 
       
English Busca Sugestões