Navigation
Mapa
Currículo sem Fronteiras
 
   
 Revista para uma educação crítica e emancipatória   ISSN 1645-1384

Reestruturação curricular e auto-intensificação do trabalho docente

Álvaro Moreira Hypolito, Jarbas Santos Vieira e Laura Cristina Vieira Pizzi

Veja o Artigo

Resumo

Neste artigo discutimos os impactos dos processos de reestruturação educacional e curricular propostos pelas atuais políticas neoliberais, que tem afetado a fabricação das identidades docentes e, principalmente, intensificado o trabalho de professores e professoras. Esses processos trazem modificações para o trabalho educativo em termos de maior ou menor controle pedagógico, maior ou menor autonomia do professorado sobre o seu fazer e pensar e, junto a isso, um aumento da intensificação do trabalho. Isso faz com que os efeitos sobre o trabalho docente tenham repercussão direta sobre as práticas curriculares. Como parte desse movimento, novos requisitos educacionais passaram a ser exigidos do professorado e das escolas: o princípio da competência e modelos gerencialistas de avaliação do sistema são alguns deles. Por fim, pensamos que essas mudanças não somente tem interferido nos corpos, mas também, e talvez principalmente, no emocional do professorado, fazendo com que os processos de intensificação se internalizem e se transformem em processos de auto-intensificação. O conceito de biopoder nos permite ver a intensificação do trabalho docente como produção de identidades, que produz efeitos sobre os/as docentes no processo de produção de si.

 

 

 
 
Todos os direitos reservados - Currículo sem Fronteiras 2011. Na eventualidade de enfrentar problemas no acesso a esta página, contate: webmaster@curriculosemfronteiras.org
 
 
       
English Busca Sugestões