Navigation
Mapa
Currículo sem Fronteiras
 
   
 Revista para uma educação crítica e emancipatória   ISSN 1645-1384

A emboscada dos paradigmas deterministas nas políticas curriculares: a Eugenia ‘americana’ e a transformação dos concursos de ‘better babies’ em competições para ‘fitter families’ nos anos 20

Steven Selden

Veja o Artigo

Resumo

Neste artigo, analisa-se o uso de interpretações deterministas na genética enquadradas no discurso da política social, uma realidade que não se prende exclusivamente aos inícios do século XIX. O autor analisa exaustivamente como o movimento eugénico nos Estados Unidos da América foi profundamente importante na promoção de um quadro social profundamente segregado que se continua a perpetuar nos dias de hoje. Apoiantes do movimento recorreram a metáforas da biologia para moldar políticas sociais no que diz respeito à restrição da imigração, à segregação dos 'inaptos' da sociedade e para os programas de controlo da reprodução humana. O autor propõe o derrubar de uma interpretação redutora da genética, no qual a escolarização tem um papel determinante.

 

 

 
 
Todos os direitos reservados - Currículo sem Fronteiras 2011. Na eventualidade de enfrentar problemas no acesso a esta página, contate: webmaster@curriculosemfronteiras.org
 
 
       
English Busca Sugestões