Navigation
Mapa
Currículo sem Fronteiras
 
   
 Revista para uma educação crítica e emancipatória   ISSN 1645-1384

Políticas Públicas de Currículo: diferença e a ideia de público

Elizabeth Macedo e Thiago Ranniery

Veja o Artigo

Resumo

Embora este texto esteja marcado pelas intenções mais gerais de um projeto de pesquisa realizado em escolas públicas, ele se configura como uma reflexão teórica sobre os muitos sentidos de público nas políticas curriculares. No projeto, como no texto, propomos entender a ideia de políticas públicas em currículo como redes intersubjetivas multiplamente localizadas. Argumentamos que as políticas, para serem públicas, precisam se comprometer com o processo de diferenciação e ter em conta relações concretas. Para tanto, o texto é divido em dois movimentos entrelaçados e ecoantes. No primeiro, defendemos que o público é endereçado, nas recentes políticas de currículo, como “todos” ou como um grupo de sujeitos abstratos, universais, intercambiáveis e semelhantes. No segundo, exploramos um conceito temporalmente aberto de público, em que o “todos” é reativado como diferença em movimento. Em diálogo com autores pós-estruturais e com estudos feministas e queers, complicados por perspectivas neomateriais e pós-humanas, defendemos a potência da relacionalidade ontológica como condição para que as políticas curriculares se façam públicas.

 

 

 
 
Todos os direitos reservados - Currículo sem Fronteiras 2017. Na eventualidade de enfrentar problemas no acesso a esta página, contate: webmaster@curriculosemfronteiras.org
 
 
       
English Busca Sugestões