Navigation
Mapa
Currículo sem Fronteiras
 
   
 Revista para uma educação crítica e emancipatória   ISSN 1645-1384

Currículos-como-experiências-vividas: um relato de embichamento nos cotidianos de uma escola na cidade do Rio de Janeiro

Maria Luiza Sussekind e Graça Franco da Silva Reis

Veja o Artigo

Resumo

Apresentamos reflexões sobre os currículos entendidos por Aoki como experiências-vividas com base na epistemologia de Certeau e aporte teórico dos estudos com o cotidiano. A partir de um relato de uma prática de embichamento do currículo vivida numa escola da cidade do Rio de Janeiro, propomos o exercício de pensar as formas como são tecidos os currículos cotidianamente e as posturas que assumimos frente aos nossos estudantes e as suas e nossas “ignorâncias” (SANTOS, 2001). Nesse sentido, o artigo explora o relato para pensar a potência das noções de usos dos praticantes e de currículo-como-experiência-vivida para redimensionar o valor do trabalho dos professores; coteja a ideia de embichamento (PINAR, 2007) como prática curricular emancipatória (OLIVEIRA, 2003) e, ainda, discute brevemente a importância das narrativas como prática de pesquisa, formação e escrita curricular a partir dos estudos com os cotidianos (SUSSEKIND, 2012).

 

 

 
 
Todos os direitos reservados - Currículo sem Fronteiras 2014. Na eventualidade de enfrentar problemas no acesso a esta página, contate: webmaster@curriculosemfronteiras.org
 
 
       
English Busca Sugestões