Navigation
Mapa
Currículo sem Fronteiras
 
   
 Revista para uma educação crítica e emancipatória   ISSN 1645-1384

Políticas linguísticas e políticas de identidade: currículo e representações de professores indígenas na Amazônia ocidental brasileira

Terezinha de Jesus Machado Maher

Veja o Artigo

Resumo

Neste texto, pretendo focalizar discursos acerca dos esforços empreendidos por um grupo de professores indígenas lotados na região norte do Brasil para planejar e colocar em prática políticas lingüísticas locais que garantam a sobrevivência de suas línguas tradicionais. São focos de análise discursos referentes, em primeiro lugar, a um dilema enfrentado por esses professores e por suas comunidades de fala: como conciliar a necessidade de reafirmação de uma língua de pertencimento (língua indígena), sem desconsiderar a necessidade de acesso a uma outra (língua portuguesa) que, do seu ponto de vista, pode possibilitar-lhes a inclusão social, econômica e política na sociedade nacional? Em um segundo momento, tensões resultantes de interpretações diversas do valor dos cantos tradicionais e do que significa “ser proficiente” em uma língua indígena são discutidas. Tendo como pano de fundo essas questões, teço algumas considerações acerca a) dos modos como as representações construídas por esses professores terminam por também revelar o que significa “ser índio”, contemporaneamente, nesse contexto e b) das implicações dos dados analisados para a construção de um currículo para o ensino de línguas em contexto indígena.

 

 

 
 
Todos os direitos reservados - Currículo sem Fronteiras 2011. Na eventualidade de enfrentar problemas no acesso a esta página, contate: webmaster@curriculosemfronteiras.org
 
 
       
English Busca Sugestões